sexta-feira, novembro 07, 2014

A vida depois do remédio...



...é uma fase de calmaria. Da bonança depois da tempestade.



Mas sabe o que eu me pergunto? "Pq não tomei isso antes?" Acho que a ansiedade foi um fato repetido na minha vida até hoje. Sabe-se lá que coisas eu teria feito diferente na vida se tivesse controlado a minha ansiedade. Quantas outras vezes, me senti sem chão e, mesmo sempre fazendo terapia, essa é a primeira vez que tenho indicação de remédio.
Posso dizer que tudo mudou depois do remédio. Principalmente em mim mesma.
Eu mudei e minha vida mudou. O mundo acompanhou a minha tranquilidade, me trazendo autoestima e felicidade. E dizem que o segredo não funciona, hein? Namorido tá mais tranquilo, a Bi tá mais calma (embora ainda seja mais tempestuosa).
Isso me fez concluir que eu sou a base da minha família. Se eu estiver bem, eles estarão. Isso é bom, pq me possibilita controlar as coisas, mas assusta: eu não quero TER QUE estar bem o tempo todo.
Outros efeitos colaterais inesperados tb surgiram.
O primeiro foi a perda (total!) do desejo sexual. :(



O segundo foi mais surpreendente: me peguei desleixando na aparência. Parei pra me questionar pq, já que desânimo não era mais problema. E pensei que me sinto bem assim. Não sinto mais aquela necessidade de estar sempre arrumadíssima pra me sentir bonita. Quem sabe a autoestima elevada me fez ficar mais tranquila quanto a minha aparência?
O fato é que estou mto melhor agora.

E vc? Como se vê no espelho? Tem neurose qto a aparência?
Beijinhos,
Paula

quinta-feira, novembro 06, 2014

A vida q a gente quer



Ontem de noite eu tava pensando nisso... tanta gente fala em sonhos, na vida q quer... "Como conquistar o q vc quer", "O Segredo", "Como conquistar isso ou aquilo", "Atinja suas metas, sonhos, potencial"... Mas e o q a gente faz qdo não sabe bem o q quer? Qdo não se permite sonhar ou mata os sonhos antes q eles realmente nasçam?
Acho q isso tem sido meu problema há mto tempo.
Se eu parar pra pensar, tenho uma vida mto boa, "abençoada", pra usar essa palavra tão na modinha do feice. Casei (mas não fizemos festa e, na vdd, nunca consegui imaginar direito um casamento dos sonhos... sim, gostaria de casar de branco e fazer festa, mas não consigo imaginar, entendem?), tenho um filho lindo e saudável, um marido ótimo (com defeitos, claro, q ninguém é perfeito), um apartamento legal (é alugado, mas é mto bom), tenho saúde (um pouco baleada, mas talvez por relaxo meu), tenho inteligência, tenho amigos, tenho a mana, livros, coisas... Só q mtas vzs fico com aquele gostinho amargo na boca, como se faltasse algo, q eu não sei dizer o q é.
E eu começo coisas e não termino. E fico desanimada. E fico pensando q a vida não tem sentido nenhum e eu sei q vai vir alguém dizer "mas vc tem um filho!". Gente, filho é ótimo, é maravilhoso, mas não é tudo! E se quiserem me xingar por me sentir assim e pensar assim, tdo bem. Eu fico pensando q não quero passar essas coisas pro Caio, q não quero q ele veja a mãe assim, se sentindo uma inútil.
Fico pensando como essas pessoas q estão sempre sorrindo e acordam cedo e fazem mil coisas conseguem motivação. Quais os sonhos delas.
Pq eu nunca sei direito dizer quais são "meus sonhos". Vou botar a culpa nos nossos pais, claro. Mamãe sempre dizendo q primeiro a gente tinha q "arrumar um ganha pão" e "viver os sonhos depois da aposentadoria".
E eu não consego fazer nem uma coisa nem outra. Nem arrumar o tal ganha pão (um bom mesmo, q viver de empreguinho e frila ninguém merece), nem ter sonhos, pq eu aprendi q só podia ter sonhos depois da aposentadoria (e ainda falta uns 30 anos!).
Me peguei pensando nessas coisas ontem de noite. Pensando no q eu quero da vida. Acho q devo ter falado já sobre isso aqui. É mto fácil saber o q a gente não quer, mas pra se saber o q se quer, já não é tão fácil. A terapeuta disse q eu não tomo partido de nada, não me envolvo, tenho mil idéias e não coloco nenhuma em prática, por medo de perder as outras, q parecem igualmente boas. E acho q ela tem razão. Tdo por medo de fracassar, de ser responsável... E parece cada vez mais difícil vencer isso.
Então fiquei pensando em fazer uma lista. Uma lista das coisas q eu quero pra minha vida, dos meus sonhos, por assim dizer.
Pretendo publicar aqui em breve.

Beijos da Taís.

quarta-feira, novembro 05, 2014

E a saúde, como anda?



No post anterior fiquei me queixando de falta de ânimo. Contei que fui na minha antiga terapeuta, e ela me pediu exames de sangue. Pois bem, o peso extra não é problema de tireóide. Mas o desânimo tem explicação: deficiência de vitamina B12. Eu já vinha com uma anemia meio persistente desde a gravidez. Mesmo comendo carne, bife de fígado (sim! blerghs!), ovos, leite, beterrabas... pelo jeito o problema é mais sério.

A médica me deu um antidepressivo, Venlafaxina, e me mandou tomar injeções de B12. Q injeçãozinha mais dolorida, ô sô! Na buzanfa, dói pra caramba! Fiquei 2 dias com a poupança dolorida. Vou tomar 1 por mês, por 3 meses, e depois fazer exame de sangue de novo.

Problema foi q tomei na 6a passada, q foi um dia q eu tava me sentindo super mal e o Charles teve q faltar o serviço e ficar em casa com o Caio pq eu não tinha forças. Achei q se tomasse a injeção ia melhorar, mas era uma gripe q me derrubou o final de semana tdo! Recém tou me recuperando, então ainda não sei dizer se a injeção e o remédio estão me ajudando ou não.

Brabo é q dos sintomas da tal deficiência de B12, eu tenho praticamente tdos, menos a perda de peso! rsrsrs Ô azar! Continuo precisando emagrecer. Estacionei nos 80kg e daqui tá difícil. Ao menos não engordei mais.

Tb tô precisando urgente voltar pra dieta financeira. Parei de atualizar o YNAB em junho, e agora preciso organizar tdo. A minha parte, q o Charles tá me cobrando faz tempo. Senão não temos orçamento. Andamos mal de grana por agora. Precisamos nos organizar, pra podermos colocar em prática o projeto Canadá.

Tô tentando começar a usar o evernote pra me organizar, com as dicas da minha xará do Vida Organizada. Ainda não terminei de ler o livro dela, mas qdo terminar, escrevo sobre ele aqui.

Mas voltando pro assunto do post: se vc tá se sentindo desanimada, fraca, quem sabe não vale a pena fazer aquele examezinho de sangue amigo e ver se vc não tá com anemia ou alguma deficiência de vitaminas?

Beijos da Taís.

quinta-feira, outubro 23, 2014

6 anos, digo, meses, pra mudar



Ontem tive uma consulta com minha antiga terapeuta. Resolvi voltar pq ela aceita meu convênio e aquele outro cara q eu tava indo era particular e ficou impossível de pagar.

De qq maneira, meu convênio só cobre 2 consultas no mês e ela disse q terapia tem ser, no mínimo, 1x na semana pra funcionar. Assim q ela vai ver se me dá uma medicação e fazemos umas consultas de acompanhamento, mas terapia não vai rolar pq não tenho como pagar agora. Somos duas dorgadas, eu e a mana... rsrsrsrsrs

Antes eu era totalmente contra medicação. Agora mudei de opinião. Acho q em certos momentos, pra certas pessoas, pode ser de grande ajuda.

A terapeuta riu qdo falei q ainda temos o blog. 6 meses q viraram 3 anos e em breve 6 anos, ela disse... mudar, mudamos. Mas coisas essenciais persistem. A procrastinação, o não tomar partido. Ela disse q estou nessa coisa de não saber o q fazer profissionalmente há mais de 2 anos (é vdd), pq eu não quero escolher, não quero tomar partido. Fico só contemplando as várias opções q eu tenho, e não escolho nenhuma, e aí não faço nada, e aí fico deprê, e aí mesmo q não faço nada, e tdo fica mto difícil.

Q eu e o Charles estamos numa zona de conforto, q evitamos qq coisa q vá nos fazer entrar em conflito, q acabamos não fazendo o q é melhor para os dois por medo de bater de frente. E q incentivamos mto a procrastinação um no outro. Como o projeto Canadá... ficamos tendo essas conversas sobre como vai ser nossa vida lá, mas não estamos fazendo nada para irmos pra lá realmente. A Bia, do Oui, Canada!, me mandou 2 e-mails super completos, dando o caminho das pedras de como ela e o marido fizeram pra emigrar, mas eu não fiz nada! Não tomei nenhuma providência. Tb não fui mais na terapeuta cognitivo-comportamental...

Dieta largada de lado. Sem nenhum projeto, nenhuma aspiração. Aí qdo penso em fazer algo, acho q é inútil, q não vale a pena, numa vibe do tipo: foda-se essa merda! Vamos tdos morrer mesmo. Aff, q chatice. Nem eu me aguento.

Algum dia aqui no blog eu disse q ia parar de tomar café. Mas continuo tomando. Eu diminuí a quantidade, durante a gravidez praticamente não bebi, mas hj em dia tomo um café com leite pela manhã e às vz 1 pela tarde. Já é algo bom, tomar menos. Mas deveria parar, tomar o suco verde (aquele, ainda), e deixar café pra qdo foi nalgum lugar com uma amiga...

Tô viajando, eu sei. Falando de Canadá, zona de conforto, desmotivação, café... (Vou lá fazer um, alguém aceita? Ainda não me recuperei de horário de verão e o Caio tb não... tem tido bailinho na madrugada). Mas, tão vendo? Essa tem sido eu ultimamente. Toda perdida. Desmotivada, sem ânimo.

Alguém me manda umas pílulas de ânimo?

Beijos da Taís.

terça-feira, outubro 21, 2014

E o lado bom da vida?



Pensando seriamente em tirar aquele sofá da minha casa. hehehe
Tô brincando.
Ele tem sido importante. Ajuda nos meus momentos de relaxamento.

Sabe de uma coisa interessante que a minha busca pelo bem-estar me fez perceber? Que, assim como a gente não cumpre os objetivos de vida e as coisas que precisa fazer, eu não estava investindo em um tempo real de descanso, relaxamento e prazer. Perdia horrores de tempo tentando arrumar minha casa. Tentando pq terminava de limpar a cozinha para sujar de novo fazendo a janta. A gente sabe que nada pára mto tempo limpo e arrumado. O que me dava a sensação de não ter feito nada.



Claro que a solução não é deixar de fazer, mas, sim, desencanar. Foi o que eu fiz ontem: deixei a louça na pia e sentei pra tomar tererê.

Pensei que devia começar a planejar meus momentos de lazer também, pois eles são tão importantes quanto os nossos deveres...

Foi talvez nessa ideia que, na semana passada, fixei os desafios do mês.  Não cumpri o da primeira semana que era três dias de exercícios. Naquela semana, não fiz nenhum dia. Na semana passada, fiz dois dias. Nessa semana, quero ver se faço três dias, ao menos. Começando por hoje.

Passei a semana passada toda pensando no meu desafio semanal. Qual seria a minha atitude de beleza?

Queria comprar roupas. Tinha um aniversário na sexta a noite e queria usar um vestido novo. Só não conseguia achar roupas que ficassem bem. Ainda tô to acima do peso. Aos 45 minutos do segundo tempo, achei uma lojinha perto de casa que eu nunca tinha entrado, com roupas lindas. Comprei o tal vestido e uma saia. Saí me sentindo diva.

Tão diva que comecei a achar até o meu cabelo diferente... Parece que ele cresceu e endireitou de uma hora pra outra. Será que foi mesmo o cabelo ou fui eu que passei a olhar pra ele de forma diferente? É fato que eu estou usando, sim, um produto diferente que uma amiga trouxe pra mim da Argentina.

Recomendo mto!!

Na semana passada, tb aproveitei pra colocar algumas coisas em dia: depilação, buço, sobrancelha, lavar o carro... É incrível como tudo é difícil quando a gente tá meio deprê. Arrumava mil e uma desculpas pra não fazer as coisas. Minha terapeuta diz que é desleixo. Segundo ela, você não fazer num dia ou dois pq não deu tempo, é normal, mas, qdo vc fica semanas adiando a depilação ou a lavagem do o carro que está extremamente sujo, é desleixo. Concordo totalmente. Agora, já posso marcar tudo como feito.

À exceção do mercado... Não fiz compras nesse mês. Fui totalmente contra os meus princípios e fiz comprinhas quando necessário. Tudo por preguiça de fazer a lista. Resultado: dois dias sem tomar café pq acabou. Que vergonha!

Farei hoje a lista e amanhã as compras.

E vc? Tb anda desleixado consigo mesmo? Planeja os momentos de lazer?
Compartilhe sua experiência comigo.
Beijinhos,

Paula

segunda-feira, outubro 13, 2014

Dia difícil


Uma fotinho meio já velhinha do Caio, ele já tá bem maior

Hj eu tinha dito q vinha aqui fazer de novo a semaninha do 59 seconds. Hj é o dia de fazer a listinha das 3 coisas pelas quais eu sou grata.

Foi um dia meio difícil hj. Choveu mto, esfriou, o q significa q fiquei presa em casa com um bebê de 11 meses q tá querendo caminhar, o dia inteiro. Caio tava meio chatinho hj, mto chorãozinho e bagunceiro ao mesmo tempo. Tive q ficar em cima o tempo tdo, pq ele tá impossível nas traquinagens, conseguiu puxar a toalha da mesa e quase vira tdo nosso almoço no chão.

Talvez pra outras pessoas isso seja mto tranquilo, essa coisa de parar de trabalhar pra ficar em casa cuidando do(s) filho(s). Mas pra mim não tá sendo. Eu sinto mta saudade de falar com pessoas adultas e ter minha vida, uma vida q é minha, não só de mãe. Sinto mto o isolamento social, onde moramos não encontrei mtas pessoas com bebês, então não tenho mto com quem conversar, fora o Charles e a mana (e mesmo assim, a mana é só telefone, skype e internet, pq pessoalmente, como moramos longe, não nos vemos tanto). Tenho outros amigos, mas são solteiros, sem filhos, estão noutra vibe.

Eu procuro sempre sair com o Caio nem q seja para ir no supermercado, só pra ver gente e socializar. Pq eu sou bastante social, sempre fui baladeira, sinto mta falta de sair à noite e de beber (ainda estou amamentando, então não bebo). Pra mim, dias em q fico presa em casa com meu filho, por mais q eu o ame infinitamente, são meio difíceis.

Tb pq agora parece q tdo serviço doméstico sobrou pra mim, coisa q eu sempre detestei. Esses tempos tive uma conversa séria com o Charles, pq eu não sou formada e falo 3 idiomas pra ser faxineira dos outros. Desculpa quem pensa diferente, mas não é pq estou "do lar" q a responsabilidade é tda minha, já chega cuidar do meu filho, o q é bastante cansativo. E o Charles é mto, mto desligado, pra dizer o mínimo. Daqueles que sai conversando com uma xícara de café na mão virando café por tdo. Temos tido várias brigas por causa disso, pq eu preciso de uma casa minimamente limpa (nem tô querendo organizada, né? Com criança pequena, quase impossível) pra poder funcionar durante o dia (pq tenho q fazer tdas as refeições do Caio, tenho q lavar roupinhas, tenho as gatas, tenho alguns freelas pra fazer - q vou fazendo nas sonecas do Caio, aos trancos e barrancos), e o Charles não tem colaborado mto.

Às vzs eu simplesmente odeio ter nascido no Rio Grande do Sul, terra de gente tão machista. O Charles é mto querido, amável e solidário em vários aspectos, mas no quesito divisão de tarefas domésticas, a coisa tá mto feia. Tem dias q eu faço um esforço enorme pra não telefonar pra ele no trabalho e quebrar o pau.

Mas... bom, eu vou continuar insistindo. Vamos pros agradecimentos, pra ver se me sinto melhor.

É engraçado pq, ano passado, escrevi esse post antes do Caio nascer e agradeci pelo noivo dividir as tarefas domésticas comigo... mas isso era qdo eu trabalhava. Parece q na cabeça dele, mesmo q ele não admita, já q eu não estou trabalhando (tenho freelas, mas pelo jeito não conta), a casa é minha responsabilidade e eu q me vire. Q triste.

Tá, vamos mudar de assunto. Eu hoje agradeço:

1 - pelo Meu filho. Meu raio de sol, meu amor maior, é um privilégio ser mãe de uma criatura tão linda, tão alegre, tão esperta.
2 - pelos Meus amigos. Em meus amigos eu incluo a mana, q é minha melhor amiga, companheira, confidente. Sem ela e sem meus outros amigos, eu não seria nada.
3 - pela Minha casa nova. Não é perfeita, mas é mto perto do q eu queria, e está ficando mto legal. Pela 1a vez parece q posso morar num lugar do jeito q eu quero.

E vc? Agradece pelo q?
E os maridos? Dividem as tarefas domésticas ou estamos todas sobrecarregadas?

Beijos da Taís.

quinta-feira, outubro 09, 2014

Se a gente não sabe o q fazer...




A gente recapitula! Eu tb adoro esse blog. Sempre q me perco, venho aqui e me acho. Então resolvi voltar atrás e vou refazer aquelas dicas do 59 seconds. Começo na 2a feira, de acordo com o q tá nesse post aqui.

Essa semana recebi 2 elogios e pra mim sempre é difícil receber elogios. Sempre acho q não mereço. Primeiro foi a mana q disse q eu sou "gente q faz", qdo eu tava contando das arrumações da casa nova e do quartinho do Caio. E hj foi uma amiga q veio tomar um café aqui e disse q meu bolo tava tão delicioso q vai ficar na memória dela como um dos melhores q ela já comeu e q eu sou "mto prendada". (No final, dou a receita do bolo).
Sempre acho q minha casa tá um lixo, q eu tinha q fazer cupcakes decorados e meu filho tinha q estar sempre impecável (aloca, néam? Qual criança q pode ser feliz brincando e descobrindo o mundo vai estar sempre impecável?). Talvez, talvez, eu seja mto, mto dura comigo mesma. O tempo INTEIRO, tipo assim. E pra q? Só pra tentar atingir um patamar inatingível q nem é meu, q deve ser dos nossos pais q sempre cobraram mto da gente, mas estão longe, LONGE de serem eles perfeitos (e mto menos bons pais, estão no limite do razoável, e só).

Pq se cobrar tanto? Acabo não traçando metas por medo de falhar. Nem sei se não estou repetindo algo q já escrevi por aqui. Mas talvez volta e meia a mesma ficha caia e eu acabe sem saber o q fazer com a informação. Acho q às vz fico com a mesma sensação da mana: o tempo passou, já era. Tipo... estou mto velha, não dá mais pra isso ou aquilo. Qdo volta e meia vejo exemplos de q isso é bobagem (como essa história aqui, q me encheu os olhos de lágrimas).

Se alguém me perguntar: qual teu sonho? Eu juro q não sei responder. Parece q tdo mundo tem um sonho, mas eu não sei qual é o meu. Ter um filho? Check. Casar? Check. Se formar? Check. Falar outro idioma? Check, check. Viajar pro exterior? Check. Posso morrer agora? NÃO, CLARO Q NÃO! Preciso de sonhos, me deem sonhos! (Com recheio de doce de leite, q de creme eu não gosto! rsrsrsrs)

Beijos da Taís.

A receita do bolo! É mto simples! 1 xícara de farinha, 1 xícara de açúcar, 1 xícara de manteiga (vale colocar menos se vc achar q fica gorduroso, coloque meia), 1 colher de chá de fermento químico, 2 ovos. Bata tudo, menos o fermento. Eu coloco na batedeira na velocidade máxima até a massa ficar bem homogênea, acrescento o fermento no final (lembrando sempre de peneirar tanto a farinha quanto o fermento) e aí misturo o fermento com uma colher de pau, na mão, não na batedeira. Coloque numa forma de pão untada e asse por mais ou menos 30 minutos em fogo baixo do forno. Fica uma delícia. Pro meu de hj eu acrescentei uma colher de sopa bem cheia de mel e um pedaço de gengibre bem picadinho (um pedaço do tamanho de uma ponta de dedo). (Aqui tem umas dicas sobre bolos)